Image Map

03 julho 2014

Resenha: Como dizer adeus em robô - Por Natalie Standiford


Autor: Natalie Standiford 
Editora: Galera Record
Número de páginas: 339

Esse é um livro diferente, como eu já tinha visto na resenha da Pâm (GarotaIt) o livro realmente não é para todos os gostos e vamos a minha opinião. 

O livro vai contar a história da Beatrice (Bea), uma menina que vive mudando de cidade devido ao emprego do pai e é uma menina de poucos amigos, ela é definida pela mãe como uma menina robô, fria, sem sentimentos e sem sensibilidade. Ela vai para o novo colégio e lá ela conhece algumas pessoas populares mas também conhece o Jonah, um garoto totalmente isolado e sozinho, eles passam a conversar e criam uma amizade, um causa um forte impacto no outro, até pelo jeito deles de já serem meio "sozinhos", mas eles passam muito tempo juntos e tem muito em comum.

No decorrer do livro eles traçam um objetivo que tem a ver com a vida do Jonah e isso vai se tornando quase a parte principal do livro. Os dois tem famílias meio desestruturadas, os pais de Bea estão cada vez mais distantes e a mãe dela tem algumas atitudes meio estranhas, digamos assim, no livro e na casa de Jonah, ele e o pai não se dão tão bem assim. O livro é diferente no âmbito do romance, eu não vou dar spoiler mas eu achei isso muito bacana no livro, a amizade e a união que eles tem, achei muito original a forma que a autora seguiu a história deles, gostei do final apesar de saber que seria um final de decepção para muitos mas para mim não foi por um motivo de gosto mesmo, achei a história diferente, mas infelizmente não foi um diferente que me predeu. 

Pois é, o livro não me chamou atenção, não me fez querer ler do início ao fim, não foi meu tipo de história, não pela autora, porque ela escreve muito bem e a narrativa flui muito rápido e fácil, não é em nenhum momento arrastada mas por gosto mesmo, um dos motivos foi pelos personagens, mas especificamente pelo Jonah, que para mim foi um personagens insuportável do começo ao fim, egoísta, só olhava para si, isso com relação a Bea, muito impulsivo, falava muito o que não devia e agia de formas que não devia também, enfim, ele me fez ter um pouco de raiva do livro e a Bea é uma personagem mais ou menos, que não me irritou já que eu gostei do progresso dela no livro. 

"Eu podia ter sido feita de metal algum dia, mas não sou mais. Como Pinóquio me transformara numa garota de verdade. Até agora era uma droga. Mas não havia nada que eu pudesse fazer a respeito." Página 229

Eu só achei que a autora tem uma característica que não foi legal para mim no livro, ela meio que gosta de deixar as coisas no ar, eu achei que ela poderia ter explorado mais algumas partes da história que ficaram meio escondidas, foi um livro bom mas não foi um livro ótimo, eu indico sim porque como eu disse é um livro diferente, o motivo de eu não ter me prendido foi pelo meu gosto mesmo, eu tenho uma amiga que tem esse livro como queridinho, então tentem a leitura, pode ser que vocês gostem muito do livro. Eu dei apenas 3 estrelas

Espero que tenham gostado, me contem o que acharam desse livro. Beijos! 
Só para garantir 2

2 comentários: